13 de dezembro de 2015

Resenha: A Luz Através da Janela, de Lucinda Riley

Como começar a escrever, sem surtar, de um livro que você deixou na estante por tanto tempo e acabou entrando para a lista das melhores leituras?! Exatamente, também não sei. Mas vamos lá. 

TÍTULO: A Luz Através da Janela.
PÁGINAS: 544
AUTORA: Lucinda Riley
EDITORA: Novo Conceito 

Sinopse: A Segunda Guerra Mundial deixou muitos destroços e segredos familiares principalmente na família de Emilie, os De La Martinières. Quando sua mãe faleceu, deixando o legado do château da família para ela, a única herdeira, Emilie fica devastada e quer vender tudo para que possa voltar à sua rotina comum de veterinária. Entretanto, Sebastian Carruthers aparece em sua vida para ajudá-la a cuidar de toda a documentação e a consola nos momentos mais difíceis. Emilie se apaixona pela sua gentileza e decide se casar com ele. Assim, ela se muda para a casa do marido, Blackmoor Hall, em Yorkshire. Contudo, a vida que ela, ingenuamente, pensa estar começando bem, trará a ela muitas surpresas e revelações do presente e do passado de toda uma geração. 

Resenha: Ganhei esse livro em um amigo secreto da minha professora de biologia. Cheguei em casa e logo fui ler a sinopse e...não me agradou muito, mas mesmo assim comece a lê-lo. Li umas vinte paginas e deixei de lado. Não porque o livro era ruim mas porque eu ja comecei a ler com um pensamento negativo a respeito da obra. Passou um tempo e eu nada de pegá-lo, até que recentemente (agora em dezembro), arrumando meus livros, eu vi o coitadinho lá. Pensei ''porque não?!'' e queridos leitores, eu quebrei a cara porque o livro é simplesmente M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O!
A história é narrada entre os anos de 1998 e 1943, após e durante a segunda guerra mundial, respectivamente. A autora, Lucinda Riley mescla entre o passado e presente e se engana quem acha que isso pode gerar uma confusão ou que as coisas podem tornar-se entediantes, pelo contrário, a história chega a ser tão clara e instigante que você chega a pensar se está lendo um livro ou vendo um filme.


1998: Emilie De Lá Martinières é uma jovem de origem francesa, descendente de uma família nobre mas que não liga para isso. Ela acabara de perder Valérie, sua mãe, e mesmo com todo o sofrimento ela precisa arcar com a fortuna que herdou. Emilie herda um château (propriedade produtora de vinho que mais se parece com um castelo) cheio de quadros e livros maravilhosos que valem uma boa quantia e seu primeiro pensamento é se desfazer de tudo para poder voltar o mais rápido possível para casa e continuar sua carreira como médica veterinária. Mas, as coisas mudam quando ela conhece Sebastian Carruthers e como a aflição maior de Emmy era a respeito do que faria com o que herdou, Sebastian ajuda-a e ela acaba mudando de ideia: não irá mais se desfazer do château. Eles se apaixonam e em menos de um ano já estão casados. Logo depois Emmy se muda para a Inglaterra com Sebastian e ao chegar na casa do novo marido, ele revela que seu irmão, Alex, mora com ele mas que eles não se suportam e pede para que a esposa fique longe dele. E é ai que a história começa, pois todos nós sabemos que a curiosidade do ser humano é maior do que tudo e com Emilie não é diferente. Ela começa a conversar com Alex e percebe que ele não é nada parecido como Sebastian o descreveu e não demora muito para que surjam algumas situações reveladoras a respeito dos dois irmãos.
"Ás vezes, acho que ter um passado muito denso é pior que não ter nenhum passado."

1943: Constance é a protagonista nesse período. Ela mora em Londres e trabalha como arquivista até que um dia recebe um envelope dizendo para comparecer no Gabinete de Guerra. Sendo assim, ela se torna uma espiã e é enviada á França para ajudar com as operações contra o Nazismo. Mas as coisas não dão muito certo e ela precisa se refugiar na residencia de Édouard, um nobre muito poderoso que também trabalha como espião e se infiltra entre os nazista para poder pegar informações e tentar salvar inocentes que estão, assim como ele e Constance, lutando por seu país. 

Quando você começa a se familiarizar com a história do passado e a do presente sua mente começa a trabalhar e a pensar mais la para em frente. ''Será que é por isso que aconteceu tal coisa? '', ''será que tal pessoa tem a ver com essa outra pessoa'' e isso é LINDO, porque não são todos os livros que provocam isso em nós, nem todos  são capazes de nos fazer dormir e acordar pensando em tudo o que tem para acontecer. Apesar de ter relatos sobre a 2ª Guerra Mundial a autora consegue deixar tudo mais interessante e creio que até quem não gosta muito de História irá gostar dessa obra. Umas das coisas que eu mais gostei foi o jeito que a autora encontrou de passar de um ano para o outro, sem dar um nó na nossa cabeça. Não foi tipo PAH! Vou mudar essa cena e não to nem ai se você não vai conseguir entender. Consegui passar do passado para o presente, e vice-versa, sem nenhuma dificuldade o que me fez ficar cada vez mais imersa na narrativa. Sem contar nos mistérios. Meu amor, são muitos! E meu Deus, são escritos de forma tão inteligente fazendo com que uma pequena coisinha do passado seja tao influente no presente. Confesso que terminei o livro sem saber qual personagem era meu preferido, porque todos são de extrema importância e cada um te cativa de um jeito. Uns pela sua coragem, alguns por sua bravura e outros por sua simplicidade em amar. 
''E agora, nove meses depois, ela se deixava cercar pelo amor que sentia por ele, florescendo como uma flor seca que repentinamente recebeu água. ''
Gente, me perdoem pelo tamanho dessa resenha mas eu não podia simplesmente chegar aqui e escrever ''gostei do livro. bacana. beijos'' porque isso não seria verdadeiro. Essa é a primeira obra que leio dessa autora e pretendo comprar as outras, porque simplesmente ele me fez chorar, sorrir, ficar com raiva ou seja, todas as emoções possíveis foram despertadas e isso merece uma resenha bem detalhada. Para falar a verdade ainda acho pouco mas meus dedos estão quase sangrando e eu preciso correr para chamar o homem da pipoca doce passando aqui na rua. 

Então pessoal, espero que tenham gostado por mais que eu quase tenha esgotado o limite de caracteres. Acho que nem preciso dizer o quanto recomendo esse livro mas vou dizer mesmo assim: LEIAM ESSE LIVRO PELO AMOR DE CRISTO! Nos vemos nos comentários. 

Ps.: Essa capa é horrivel. Beijos. Hahaha. 





9 comentários :

  1. Oi, Ana. Tudo bem? Eu conheço os livros dessa autora só de vista, mas nunca ne interessei por eles por causa da capa. Como você mesma disse, são horríveis kkkkkk mas o curioso é que me sinto atraída pelas sinopses e pelo fato de a autora ser elogiada pelos leitores. Gostei da sua resenha. Reforçou mais a ideia de que eu ainda preciso ler algo dela. Beijos!!

    www.arosadoprincipe.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana!
    Não conhecia esse livro e, tá bom, vou colocar na lista de leituras.., vc me convenceu Rsrs
    Esse tipo de livro que mistura dois tempos, normalmente sempre deixam as coisas confusas, pelo menos até a gente "se achar". Mas que bom que pelo que vc falou esse é super tranquilo quanto a isso...
    Bom, obrigada pela resenha! Foi ótima! Se fosse em vídeo, imagino vc dando um pulinhos de tão animada que pareceu estar Rsrs
    Beijos :*

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Gente, essa resenha confirma que não podemos julgar o livro pela capa.
    Parabens pelo texto

    Bjs
    http://coolturalblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
  5. Olá,tudo bem?
    Como disse o comentário do amiguinho de cima: Essa resenha é para provas que não devemos julgar o livro pela capa! (Pq eu n gostei da capa,rs)
    Não conhecia o livro, nem a autora. Se eu visse esse livro para comprar, se não fosse pela sua resenha passaria batido. Pelo que você disse na resenha, eu amaria o livro!

    ResponderExcluir
  6. Olá Ana!
    Realmente a capa não chama atenção, a sinopse talvez um pouco. Porém, depois de ler sua resenha, ele chamou bastante minha atenção. A história parece ser muito interessante. Adorei sua resenha!
    Beijos, Garota Vermelha
    www.livrosdagarotavermelha.wordpress.com

    ResponderExcluir
  7. Ana, adorei a resenha. Tenho um livo dessa autora (A Casa das Orquídeas) que também ganhei de presente, comecei a ler e nada me cativou, ai olhei a imensidão de páginas que ele tem e desisti de vez. Mas acho que uma faisca de esperança ainda restou pra ele depois dessa resenha.
    Super beijo, Bru - www.naoemprestolivros.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi Ana,

    Amei sua resenha, você é tão sincera, acho isso ótimo. Já ouvi falar dessa autora e que os seus livros são bons, mas confesso que nunca li nada a respeito, principalmente porque o tamanho dos livros me assustam e eu tenho medo de não gostar da história. Pelo que você escreveu, essa ida e vinda da autora em anos diferentes, me lembrou muito os livros da Sarah Jio. Não é meu estilo preferido de narrativa, mas é como você disse, se é bem feito vale a pena ler.

    Beijos

    http://meninasnaliteratura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Que resenha maravilhosa!!!
    E eu amo histórias que se passam durante a II Guerra,pois foi um período tão marcante.
    Parabéns! Já quero ler!
    abraços

    http://estantelivrainos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir